Monday, July 11, 2016

Noite Morta (Manuel Bandeira) (1921) & Outros



Alfredo Andersen, Brincando no Jardim
Alfredo Andersen, Retrato de Dirceu Andersen (1930)
Lasar Segall, Floresta de Troncos Espaçados (1955)
Joaquín Torres García, Forma anímica en una estructura (1929)
Candido Portinari, Espantalho (1940)
Tarsila do Amaral, O Sapo (1928)
Lourenço Mutarelli (Quando meu pai se encontrou com o ET fazia um dia quente, 2011)
Almeida Júnior, Derrubador Brasileiro (1879)
Lasar Segall, Bananal (1927)
Samico, A Traição (1964)
Ascensão (2004)
**************************************************************

"Hat Jemand, Ende des neunzehnten Jahrhunderts, einen deutlichen Begriff davon, was Dichter starker Zeitalter Inspirationnannten? Im andren Falle will ich’s beschreiben..."
Nietzsche (Ecce Homo)

NOITE MORTA.
Junto ao poste de iluminação
Os sapos engolem mosquitos.

Ninguém passa na estrada,
Nem um bêbado.

No entanto há seguramente por ela uma procissão de sombras.
Sombras de todos os que passaram.
Os que ainda vivem e os que já morreram.

O córrego chora.
A voz da noite...
(Não desta noite, mas de outra maior.)
**************************************************************

Intermezzo Mario Quintana:
Noturno
Tudo ficou mais leve no escuro da casa.
As escadas pararam de repente no ar...
Mas os anjos sonâmbulos continuam subindo os degraus truncados.
Atravessando os espelhos como se entrassem numa outra sala.
O sonho vai devorando os sapatos
Os pés da cama
O tempo.
Vovô resmunga qualquer coisa no fim do século passado.
**************************************************************

Outro M.B.:
O Anjo da Guarda
Quando minha irmã morreu,
(Devia ter sido assim)
Um anjo moreno, violento e bom,
— brasileiro
Veio ficar ao pé de mim.
O meu anjo da guarda sorriu
E voltou para junto do Senhor.
**************************************************************

Um Mário de Andrade:
Poemas da Amiga, I
A tarde se deitava nos meus olhos
E a fuga da hora me entregava abril,
Um sabor familiar de até-logo criava
Um ar, e, não sei porque, te percebi.

Voltei-me em flor. Mas era apenas tua lembrança.
Estavas longe, doce amiga; e só vi no perfil da cidade
O arcanjo forte do arranha-céu cor-de-rosa
Mexendo asas azuis dentro da tarde.
**************************************************************

See also:
- Amat Escalante;
- Icons of Romanticism (Brazil);
- Pour une littérature mineur: Mário Quintana as I see him;
- Pau Brasil (Oswald de Andrade);
- Mario de Andrade, tel que je l'imagine (bricolage & fragments);
- Jaguahém;
- Favorite Drummond (with translation);
- Podem ficar com a realidade (Leminski);
- Poème du retour: Paulo Leminski et l'éternel moustache de Nietzsche;
- Two invisible phanopoeias & a silence (by Arnaldo Antunes) + Alice Ruiz;

No comments:

Post a Comment

Leave your comments below: